O que é Eclâmpsia Puerperal em Cães?

O que é Eclâmpsia Puerperal em Cães?

A eclâmpsia puerperal, também conhecida como hipocalcemia puerperal ou febre do leite, é uma condição que afeta cadelas no período pós-parto. É uma emergência médica que pode colocar em risco a vida da mãe e dos filhotes. Neste glossário, iremos explorar em detalhes o que é a eclâmpsia puerperal em cães, seus sintomas, causas, diagnóstico, tratamento e prevenção.

Sintomas da Eclâmpsia Puerperal em Cães

Os sintomas da eclâmpsia puerperal em cães podem variar, mas geralmente incluem tremores musculares, rigidez, fraqueza, incoordenação, salivação excessiva, febre, respiração rápida e ofegante, agitação, falta de apetite, vômitos e diarreia. Em casos mais graves, a cadela pode apresentar convulsões, coma e até mesmo a morte.

Causas da Eclâmpsia Puerperal em Cães

A eclâmpsia puerperal em cães é causada por uma diminuição repentina nos níveis de cálcio no sangue da cadela lactante. Durante a gestação, a cadela transfere grandes quantidades de cálcio para os filhotes em desenvolvimento. Após o parto, a produção de leite exige uma quantidade ainda maior de cálcio, o que pode levar a uma deficiência desse mineral no organismo da mãe.

Diagnóstico da Eclâmpsia Puerperal em Cães

O diagnóstico da eclâmpsia puerperal em cães é baseado nos sintomas clínicos apresentados pela cadela, juntamente com exames laboratoriais para medir os níveis de cálcio no sangue. É importante descartar outras condições que possam causar sintomas semelhantes, como intoxicação, infecções ou distúrbios metabólicos.

Tratamento da Eclâmpsia Puerperal em Cães

O tratamento da eclâmpsia puerperal em cães é urgente e envolve a administração intravenosa de cálcio para corrigir a deficiência. Além disso, a cadela pode receber medicamentos para controlar os sintomas, como anticonvulsivantes e analgésicos. É essencial interromper a lactação e alimentar os filhotes com uma fórmula adequada.

Prevenção da Eclâmpsia Puerperal em Cães

A prevenção da eclâmpsia puerperal em cães envolve uma alimentação adequada durante a gestação e lactação. É importante fornecer uma dieta balanceada, rica em cálcio e outros nutrientes essenciais. Além disso, é recomendado monitorar regularmente os níveis de cálcio no sangue da cadela e ajustar a alimentação conforme necessário.

Fatores de Risco para a Eclâmpsia Puerperal em Cães

Alguns fatores podem aumentar o risco de uma cadela desenvolver eclâmpsia puerperal, como raças de pequeno porte, cadelas jovens ou de primeira gestação, gestações múltiplas, produção excessiva de leite, deficiência de cálcio na dieta, estresse e desequilíbrios hormonais.

Complicações da Eclâmpsia Puerperal em Cães

A eclâmpsia puerperal em cães pode levar a complicações graves, como convulsões recorrentes, danos cerebrais, insuficiência cardíaca, problemas renais, infecções secundárias e até mesmo a morte. É fundamental buscar atendimento veterinário imediato ao observar qualquer sintoma relacionado à eclâmpsia puerperal.

Importância do Acompanhamento Veterinário

O acompanhamento veterinário durante a gestação e pós-parto é essencial para identificar precocemente qualquer alteração nos níveis de cálcio da cadela e tomar as medidas necessárias para prevenir a eclâmpsia puerperal. O veterinário poderá orientar sobre a alimentação adequada, realizar exames de sangue regulares e monitorar a saúde da cadela e dos filhotes.

Conclusão

A eclâmpsia puerperal em cães é uma condição séria que requer atenção e cuidados veterinários imediatos. É importante estar atento aos sintomas e buscar ajuda profissional assim que possível. Com uma alimentação adequada e acompanhamento veterinário, é possível prevenir essa condição e garantir a saúde da mãe e dos filhotes.